Você sabe o que são empresas ambidestras? Já ouviu esse termo antes?

O mundo está mudando e a transformação digital já é uma realidade. Essa mudança obriga as empresas e profissionais a inovarem para se manterem relevantes. No entanto, enganam-se aqueles que focam apenas em inovação e esquecem de manter a excelência operacional.

Fazer o básico já não é suficiente, mas não ter uma base sólida faz com que toda a estrutura do negócio esteja comprometida. Alguns processos burocráticos são, inclusive, indispensáveis.

Ao mesmo tempo, de nada adianta ter processos eficazes e bem estruturados se eles forem rígidos e não permitirem a melhoria contínua. Um dos maiores erros das empresas é acreditar que ser uma referência hoje é o suficiente para garantir seu espaço no mercado para sempre.

Mas então, como se preparar para a transformação digital ao mesmo tempo em que lidamos com a empresa de hoje? 

É nesse contexto que surge o conceito de empresas ambidestras, que defendem a ideia de conciliar a eficiência no modelo de negócio tradicional ao mesmo tempo em que torna os processos mais dinâmicos e busca por novidades e oportunidades através da inovação.

O que é uma empresa ambidestra?

As empresas ambidestras buscam o equilíbrio entre dois pontos principais: excelência operacional e inovação. O modelo de negócio tem esse nome por ser capaz de trabalhar com as duas mãos: a direita mantém funcionando aquilo que já funciona hoje enquanto a esquerda foca em buscar processos inovadores.

Uma organização ideal deve oferecer produtos confiáveis e consolidados e trabalhar com processos eficientes, mas também deve ter a iniciativa de investir em liberdade e experimentação. 

É preciso manter o olhar no presente sem deixar de se preparar para o futuro.

3 tipos de empresas ambidestras

1) Ambidestreza Estrutural

Existem duas equipes trabalhando separadas, inclusive fisicamente, uma focada em eficiência operacional e outra em inovação. Essa divisão é o que permite a coexistência das atividades de naturezas opostas. Cada equipe possui seu próprio modelo de gestão e, posteriormente, quando os processos inovadores estiverem consolidados, eles são integrados à empresa como um todo.

2) Ambidestreza Cíclica

Uma única equipe trabalha focada em inovação durante um período determinado, depois muda o foco para a excelência operacional durante outro período definido, em seguida volta a desenvolver processos inovadores e assim por diante. Esse processo exige maturidade da equipe por ser desafiador fazer a transição entre modelos de gestão a cada troca de ciclo, mas garante a interação entre os colaboradores.

3) Ambidestreza Simultânea

Os processos de inovação e de excelência operacional acontecem ao mesmo tempo na empresa toda sem dividir a equipe. O desafio é ter colaboradores capazes de entender e exercer ambos os tipos de processo e uma gerência preparada para tomar as melhores decisões para a empresa levando em consideração os novos processos de inovação e não deixando de manter a entrega de resultados.

Se a sua empresa já possui excelência operacional, mas ainda não sabe exatamente como inovar, lembre-se disso: inovação começa pelas pessoas.

Por isso, comece desenvolvendo uma cultura de inovação. Prepare sua equipe para a transformação digital, assim, antes de introduzir qualquer processo ou estratégia, eles terão uma mentalidade inovadora.

Para entender melhor do que estamos falando, dá uma olhada nessas quatro etapas para começar a inovar.

E, se você quer entender melhor o conceito de Ambidestria com quem já viveu na prática, inscreva-se na Semana de Inovação da Conquer. De 27 a 29 de janeiro, 5 grandes nomes da inovação no país estarão ao vivo em um evento 100% online e gratuito.

Profissionais de empresas como Cinemark Brasil, Itaú, Nugo Smart Cashless e PorQueNão? vão te ajudar a se tornar um profissional ainda mais inovador e desequilibrar o mercado. Para garantir sua vaga, é só se inscrever aqui.