O que são soft skills?

Soft skills são habilidades sociais e não-técnicas que nos ajudam a interagir melhor com as pessoas, resolver problemas no trabalho e lidar bem com as nossas tarefas. 

São competências intangíveis ligadas ao comportamento, que facilitam o nosso sucesso  profissional, seja qual for o cargo, área de atuação e tempo de experiência. Entre alguns principais exemplos de soft skills temos a oratória, a inteligência emocional, a produtividade, a antifragilidade e a negociação.

Mas para que servem as soft skills?

À medida que novas descobertas são feitas, aquilo que aprendemos vai se defasando. É mais difícil esse fenômeno acontecer com as soft skills - já que elas são habilidades perenes. Afinal, empatia, boa comunicação, organização e trabalho em equipe nunca sairão de moda.

Além disso, as soft skills nos completam como pessoa e profissional.

Um cardiologista pode ser brilhante na sala de cirurgia. Mas sem saber controlar o tempo das consultas, se comunicar bem com o paciente e lidar com a pressão da medicina, é como se ele não atingisse todo o seu potencial.

Qual é a diferença entre hard skills e soft skills?

As hard skills são as nossas habilidades técnicas. Ou seja, tudo o que aprendemos na escola, na faculdade e nos cursos que fazemos. 

Elas são competências mais fáceis de identificar e mensurar. Afinal, é mais simples e rápido entender se um advogado é eficaz na construção de um argumento jurídico do que se ele é uma pessoa produtiva em seu dia a dia.

Alguns exemplos de hard skills são:

  • Proficiência em Excel
  • Saber ler e interpretar um Raio-X
  • Construir um argumento de defesa jurídica
  • Projetar uma casa

Como você pode ver, as hard skills têm aplicações mais práticas e concentradas em uma área de atuação. Nesse sentido, elas têm um foco mais individual.

Já as soft skills têm mais relevância coletiva, já que são habilidades interpessoais e que são aprimoradas pelo desenvolvimento comportamental.

Na prática, como esses dois tipos de habilidade se relacionam?

Tanto as hard quanto as soft skills são muito importantes e precisam ser desenvolvidas em paralelo. E mais, as soft skills complementam as habilidades técnicas e nos tornam profissionais muito mais equilibrados.

Ser fluente em inglês, por exemplo, é uma hard skill fundamental nos dias de hoje. Saber falar o idioma com segurança, transmitindo credibilidade é uma habilidade comportamental que pode nos levar ainda mais longe. 

O aprendizado de cada tipo de competência também segue rotas diferentes. Aprender uma habilidade mais técnica, como Excel, tem um caminho relativamente claro e estruturado.

Em contrapartida, aprender a ser mais paciente, a trabalhar em equipe e controlar suas emoções é uma estrada mais longa e complexa, com muitas curvas e pedágios.

As verdadeiras “hard” skills

Hoje, podemos dizer que as soft skills são as verdadeiras “hard”, porque são mais difíceis de desenvolver e têm mais durabilidade que as competências técnicas.

E nos Estados Unidos, por exemplo, já existem pesquisas e conteúdos que fazem uma provocação sobre esse contexto e passam a chamar as soft skills de power skills. Afinal, elas nos dão o poder de colaborar, comunicar e liderar.

Mais do que só uma mudança de nome, é um reequilíbrio da balança. Um olhar diferente para as verdadeiras forças por trás do crescimento das empresas.

Por que o mercado de trabalho está tão interessado nas soft skills?

As soft skills sempre ficaram “na sombra” das hard skills.

Essa é uma herança do modelo de trabalho da Revolução Industrial. O foco era na eficiência, em produzir o máximo possível - e não em construir relações no ambiente de trabalho. Deixávamos as emoções na porta da empresa.  

Mas logo descobrimos que reprimir sentimentos consome a nossa energia, o que na verdade reduz a produtividade. Conexões frágeis com os colegas também diminuem o engajamento com a empresa e, por tabela, os resultados entregues.

E o que aconteceu para mudar esse paradigma?

Com a automatização de muitas tarefas, a economia de serviços e de conhecimento ganhou mais destaque. Um exemplo disso é a atual demanda gigantesca por programadores. 

Ou seja, o trabalho hoje é muito mais coletivo, criativo e depende de habilidades que nos ajudem a nos relacionarmos bem, a sair do automático e sermos mais humanos durante a jornada. 

Já temos pesquisas que comprovam essa necessidade. Segundo a Deloitte, até 2030, ⅔ dos empregos serão intensos no uso de soft skills.

Confira outras razões que estão fazendo as empresas despertarem para o desenvolvimento dessas competências:

  1. Equipes mais unidas e resilientes: ao estimular habilidades como a empatia, comunicação e a criatividade, a empresa constrói o alicerce de um trabalho melhor e pessoas mais felizes. Times inteiros com soft skills funcionam como uma unidade, mas também respeitam a perspectiva individual, trazendo equilíbrio para o dia a dia.
  2. Redução de custos: quando a empresa desenvolve as soft skills das pessoas, elas sentem-se valorizadas pela empresa, gerando uma relação ganha-ganha. Isso diminui a despesa com a procura e a contratação de substitutos. Outro ponto positivo é que os melhores talentos aumentam ainda mais sua performance, o que fortalece o negócio e pode aumentar os lucros. 
  3. Lideranças mais preparadas: o gestor com essas habilidades consegue se comunicar melhor, ouvir feedback, motivar a equipe e manter a organização dos processos. Tarefas fundamentais para um líder movimentar as alavancas do negócio.
  4. São difíceis de automatizar: as soft skills são algumas das poucas habilidades que as máquinas não conseguem reproduzir. Ainda é difícil enxergar um futuro em que um software terá empatia ou técnicas de oratória - não podemos contratar um robô para fazer uma boa apresentação de relatório, por exemplo.

Veja também um infográfico com dados recentes sobre o florescer e os frutos das soft skills nas empresas nos últimos 5 anos.

Clique aqui e baixe em PDF para visualizá-lo melhor e quando quiser.

A evolução e os frutos das habilidades comportamentais

Infográfico Soft Skills
Estatísticas sobre soft skills

Principais tendências do futuro do trabalho

A cada ano, novos estudos de tendências são publicados e se arriscam a apontar as principais habilidades que os profissionais devem desenvolver para o futuro

Leia todos eles e você encontrará um ponto em comum: as competências mais valorizadas serão as socioemocionais.

A verdade é que não existe uma lista definitiva de skills. Mas, todas elas apontam para a valorização das habilidades comportamentais.  

O desenvolvimento dessas habilidades não é um processo engessado, como um simples checklist. 

Cada empresa, área e colaborador possui suas próprias necessidades e prioridades. E esse deve ser o primeiro ponto a ser analisado. 

Além disso, equilibrar o desenvolvimento de diferentes soft skills é um diferencial para alcançar resultados excelentes. 

Por exemplo, para um vendedor, não basta somente um excelente desenvolvimento em negociação. Se ele não conseguir gerenciar sua rotina e ser produtivo, acabará perdendo reuniões importantes de fechamento. 

Para criar a lista de habilidades que serão tendência nos próximos anos, unimos pesquisas do mercado à experiência da Conquer com + 500 empresas e 235 mil profissionais treinados.

Com isso, selecionamos as 8 habilidades comportamentais que acreditamos ser indispensáveis para o futuro do trabalho em qualquer área. São elas:

  • Aprendizagem Ágil 
  • Comunicação 
  • Criatividade
  • Inteligência Emocional 
  • Liderança
  • Negociação e Influência
  • Pensamento crítico
  • Produtividade

Quer saber o que cada uma significa e como desenvolver sua equipe? Siga a leitura. 

De A a Z: as soft skills mais demandadas pelo mercado

Definição

Capacidade de aprender de forma contínua, mantendo o conhecimento ativo e atualizado.

No ambiente corporativo 

Ao conquistar novas habilidades de forma contínua e consistente, o profissional está preparado para assumir novas funções, evoluir na carreira e superar as mudanças e desafios organizacionais com inteligência. 

ConqueRHacks
  • Promova ritos de aprendizagem, como um dia fixo para compartilhamento de conhecimento por alguém da equipe;
  • Incentive a cultura do feedback 360°, onde todas as pessoas podem avaliar umas às outras;
  • Crie programas de mentorias internas, conforme o Plano de Desenvolvimento de cada colaborador;
  • Valorize os profissionais que se destacam na busca por aprendizagem, e os torne embaixadores.
Definição

Habilidade de transmitir uma informação com clareza e assertividade, garantindo a compreensão de quem recebe a mensagem.

No ambiente corporativo 

Falhas de comunicação são responsáveis por perdas acima de 60 milhões de dólares por ano em grandes empresas. Elas aparecem, principalmente, em projetos mal planejados, informações não repassadas, retrabalho e conflitos entre equipes.

ConqueRHacks

Feedback e Feedfoward

Evoluir nossa comunicação e oratória é um processo permanente. E a melhor forma de acompanhar a evolução é através da opinião e avaliação de outras pessoas. Incentive a prática entre pares e líder e liderado. Utilize os modelos:

Feedback: é uma devolutiva a algo que já aconteceu, por exemplo, avaliar os pontos positivos e negativos de uma apresentação de resultados.

Feedforward: é orientação antes de algo acontecer, por exemplo, evitar o uso de jargões em uma apresentação de resultados. 

Definição

Capacidade de analisar e compreender problemas, encontrando caminhos criativos e não tradicionais para solucioná-los.

No ambiente corporativo 

É um diferencial competitivo. Equipes criativas propõem melhorias para processos engessados, são mais produtivas e conquistam a satisfação do cliente. Um ambiente emocionalmente seguro e aberto a testes, erros e melhorias constantes, permite que a criatividade tenha sucesso e gere resultados.

ConqueRHacks

Incentive o uso da criatividade na resolução de problemas com trocas entre equipes multidisciplinares. 

Mão na Massa
  1. Escolha algum problema que sua empresa esteja enfrentando. Pode ser, por exemplo, um feedback de cliente sobre o produto/serviço ou um feedback interno sobre algum programa.
  2. Reúna colaboradores de diferentes equipes (Administrativo, Marketing, Tech) e os divida em grupos.
  3. Contextualize as equipes, explique o problema e estabeleça um prazo para a proposta de uma solução.
  4. Premie as melhores ideias e, se possível, implemente-as. 
Definição

Capacidade de identificar e lidar com suas próprias emoções.

No ambiente corporativo 

Dita como os profissionais reagem às mudanças, incertezas, frustrações e o relacionamento com outras pessoas. Além disso, um ambiente emocionalmente saudável influencia no comportamento dos profissionais. Empresas emocionalmente inteligentes são 64% mais tolerantes a riscos (Harvard Business Review). 

ConqueRHacks

Para ter colaboradores emocionalmente inteligentes, é preciso que o ambiente corporativo também seja. Agregue à cultura da empresa os quatro pilares da inteligência emocional:

  • Autoconhecimento
  • Autogestão
  • Empatia
  • Gestão de relacionamento
Definição

Capacidade de influenciar, motivar e guiar um grupo de pessoas em direção a um objetivo comum. 

No ambiente corporativo 

A liderança não é uma habilidade apenas de quem ocupa cargos de coordenação ou gerência. Ela pode ser usada para liderar projetos, ou até mesmo, liderar a si mesmo.

ConqueRHacks

Conquistar a habilidade de liderança é como uma escalada, você avança em direção ao seu objetivo a cada novo passo. É preciso que a empresa esteja preparada para treinar o líder em cada uma dessas fases:

  • Liderar a si mesmo
  • Liderar pessoas
  • Liderar negócios
Definição

Habilidade de convencer alguém a fazer algo, chegando a um resultado compartilhado.

No ambiente corporativo 

A negociação é uma habilidade requisitada constantemente no ambiente corporativo: para negociar o prazo de entrega de um projeto, o próprio salário, o preço com fornecedores, ou influenciar o desenvolvimento de uma ideia.

Ela é aplicada entre membros da mesma equipe, de diferentes equipes, e entre líderes e liderados.

ConqueRHacks

Tomamos, em média, 35 mil decisões por dia. Logo, negociação não é uma habilidade apenas para vendedores. Experimente fazer um treinamento de negociação e influência com todos os times da empresa. 

Definição

Capacidade de analisar uma situação, considerando suas variáveis, e propondo soluções eficientes e lógicas.

No ambiente corporativo 

Em qualquer área, essa é uma habilidade requisitada constantemente.

- A equipe não está dando conta da demanda? Produtividade baixa OU falta de recursos?

- O cliente está insatisfeito com o produto/serviço? Falha na implementação OU Falha técnica no produto?

Para responder essas perguntas, e tomar a decisão certa, é preciso olhar para dados e analisar criticamente cada parte do problema.

ConqueRHacks

Essa é uma habilidade conquistada com a prática. No ambiente corporativo, promova espaços para debates de diferentes temas, garantindo a participação máxima dos colaboradores. Conquistar repertório e pontos de vista diversos colaboram para a criação do pensamento crítico. 

Além disso, invista em treinamentos de análise de dados. Eles colaboram na estruturação de um cenário mais claro, facilitando a tomada de decisão.

Definição

Capacidade de gerenciar seu tempo, priorizar tarefas e focar energia no que realmente importa.

No ambiente corporativo 

Equipes e colaboradores produtivos são capazes de organizar seus objetivos, tarefas e prazos, evitando falhas e retrabalho.

ConqueRHacks

Estima-se que 40 horas semanais de trabalho organizado em Blocos de Tempo produzem a mesma quantidade de resultados de 60 horas ou mais cumpridas sem estrutura.

  • Promova a organização em blocos de tempo. Os Blocos podem ser definidos, por exemplo, para: reuniões, feedbacks e revisões, e produção.
  • Implemente uma ferramenta de Agenda compartilhada entre os times.

Quais são as soft skills mais importantes para cada área?

É importante que todos os colaboradores dominem pelo menos um pouco de cada habilidade interpessoal. Mas é fundamental também que esse tipo de aprendizado também seja contextualizado com o dia a dia do profissional.

Para um vendedor, por exemplo, a habilidade de negociação vai ser exigida com mais frequência, comparado com um programador. Portanto, o vendedor precisa de um preparo redobrado nessa soft skill. 

Pensando nisso, listamos as soft skills de maior necessidade para as áreas de tecnologia, marketing, vendas, financeiro e RH. Assim, você saberá pelo menos por onde começar a desenvolver cada departamento.

Clique ou toque no nome das áreas para conferir as habilidades:

System Thinking 

O System Thinking é a habilidade de analisar um cenário como um todo e também saber enxergar seus detalhes - como um grande sistema e suas partes.

Ela ajuda profissionais da área a entenderem os problemas do negócio (a big picture) e encontrarem soluções na tecnologia para eles (o detalhe). 

Mentalidade Focada no Consumidor

Essa é uma soft skill fundamental para que o profissional de tecnologia entenda as necessidades do seu público, esteja ele fora ou dentro da empresa.

Assim, ele consegue construir soluções que realmente consigam resolver os problemas mais importantes de seus stakeholders.

Antifragilidade

Uma pessoa antifrágil não apenas consegue trabalhar sob pressão, mas emerge desses momentos como um profissional melhor.

Como o mundo está em constante transformação, principalmente no que diz respeito à tecnologia, é importante que a área tenha a habilidade de não se frustrar com as mudanças, ver esse cenário como o normal e saiba prosperar no imprevisível.

Comunicação

Profissionais da área precisam saber ouvir e ajustar suas falas para se comunicarem bem com as pessoas que entendem e que não entendem de tecnologia. 

Nivelar a comunicação é ainda mais importante no momento de apresentar um relatório, problema ou solução, onde precisamos argumentar um ponto com clareza.

Storytelling

É a habilidade de contar histórias de uma forma clara, impactante, que nos deixa vidrados nos acontecimentos até o final.   

Como profissionais de marketing estão sempre em busca da aprovação de campanhas ou verba, ela é uma técnica interessante para que eles consigam fazer apresentações mais convincentes.

Empatia

Ter empatia é fundamental para um bom profissional de marketing, já que ele precisa passar muito tempo se colocando no lugar do seu público-alvo.

Essa habilidade o ajuda a conhecer sua audiência, seus desafios e o que a motiva a agir com detalhes. Assim, o profissional consegue criar ações que realmente conversem com as necessidades desse público e resolvam problemas reais. 

Learning Agility

Profissionais de marketing estão sempre precisando se atualizar sobre o seu nicho, público e tendências de consumo. Além disso, também devem testar novas abordagens nas campanhas e aprender rápido com seus erros.

A Learning Agility é uma soft skill que vai ao encontro dessas necessidades. Afinal, ela significa aprender de forma consciente e contínua, superar desafios complexos e aprender e aplicar aprendizados com rapidez.

Fluência em dados 

Para o marketing, é fundamental conhecer o comportamento humano. Mas saber interpretar e agir sobre os números que esses comportamentos geram é tão importante quanto.

É preciso exercitar esse olhar íntimo de dados, para que o profissional da área consiga analisar os números das campanhas e evite decisões baseadas em “achismos”.

Gestão de relacionamento

Quando bem-feita, a gestão de relacionamento permite uma parceria duradoura e favorável para vendedor e cliente. Isso abre portas para indicações, projetos e novas compras.  

Trazendo alguns exemplos práticos, ela pode ser feita com ações de pós-venda, como pesquisas de satisfação, presentes, conteúdos e ofertas exclusivas. Essas técnicas também podem ser aplicadas na relação com fornecedores.

Fluência digital

Fluência digital é saber navegar por sistemas e aplicativos online de forma natural, compreendendo toda a dinâmica como uma segunda língua.

Canais como redes sociais, CRMs e aplicativos facilitam o contato com clientes e ajudam a encurtar a jornada de compra. E o profissional de Vendas precisa saber usar essas plataformas com facilidade para atingir seus objetivos.

Curiosidade

Saber onde e como buscar informações sobre clientes, concorrentes e mercado é essencial para construir um argumento de vendas irresistível.

Afinal, a pesquisa abastece o vendedor com ideias e dados úteis para contornar objeções e conquistar a confiança do potencial cliente. E quando dominamos um assunto, falamos com mais segurança e aumentamos a chance de influenciar o resultado da negociação.

Negociação e Influência

Manter-se no controle da conversa, saber aplicar técnicas e gatilhos mentais e chegar a um resultado vantajoso para os dois lados é  a base de qualquer profissional de vendas.

Saber negociar e influenciar também é importante para que o vendedor lide bem com a pressão do momento e com os inevitáveis “nãos” que vão acontecer.

Pensamento crítico

O pensamento crítico é uma soft skill que faz com que a gente pare, examine as situações a fundo e não acredite em nada de olhos fechados. 

E é essencial para o profissional de finanças. É importante que ele desconfie de cada número e seja minucioso ao olhar cada fatura, boleto e extrato, já que um erro pode colocar a empresa em risco.

Organização

A área financeira lida com muita documentação e tem seus processos diários, semanais, mensais e anuais. Isso sem falar de tudo o que envolve as compras, investimentos, relatórios e pagamento de colaboradores e fornecedores. 

Dessa forma, eles precisam saber se organizar bem, para enxergar suas prioridades, seguir uma lista de tarefas, manter a papelada em ordem e respeitar os prazos. 

Gestão do tempo

Não pagar um fornecedor na data combinada, pode prejudicar as relações com o mercado e impactar a produção de produtos ou serviços. Já quando perde-se o tempo de entrega de uma obrigação fiscal, abrimos uma brecha no compliance da organização.

Ou seja, o profissional da área precisa saber como fazer uma boa gestão do seu tempo e conhecer as datas principais de cada processo.

Resolução de problemas

Fazer a gestão do fluxo de caixa, lidar com vários sistemas, gerenciar o crédito da empresa, passar por auditorias. Como toda área, o financeiro tem sua parcela de problemas.

Mas como ele lida com o dinheiro, algo muito central e delicado para uma empresa, precisa trabalhar bem sua habilidade de resolvê-los, já que decisões erradas podem colocar o negócio em xeque.

Fluência em cibersegurança

O RH lida com uma grande quantidade de dados pessoais dos colaboradores. E para mantê-los seguros, é importante que ele também internalize os princípios da cibersegurança referentes ao tratamento e armazenamento desse tipo de informação. 

Isso significa saber usar esses dados com cautela e conhecer seu ciclo de vida na empresa (do processo seletivo até o fim do contrato).

Criatividade

Um dos grandes desafios do RH é engajar líderes e colaboradores nas ações, treinamentos e na cultura da empresa em geral. 

Nesse sentido, a criatividade ajuda a reduzir bloqueios e encontrar novos jeitos de conquistar a participação das pessoas. 

Ser um RH criativo também é importante para a área acompanhar as expectativas das novas gerações de colaboradores e construir uma marca empregadora mais atrativa para o mercado.

Inteligência emocional

Sendo um ponto de conforto para o colaborador, o profissional de RH lida com muitos momentos de alta carga emocional. 

A pandemia também aumentou a voltagem dessa carga, e questões como burnout e o luto passaram a fazer parte do universo do RH. Mas ele também precisa cuidar de si.

Por isso, é importante que ele desenvolva bem sua própria inteligência emocional. Afinal, o RH precisa ser uma verdadeira rocha para amparar as pessoas em horas difíceis e ter empatia com cada momento da jornada do colaborador.

Produtividade

A proatividade é uma soft skill que faz a gente passar menos tempo apagando incêndios. Essa queda nas tarefas reativas ajuda a reduzir o estresse e aumentar a produtividade das pessoas - inclusive do RH. 

Um exemplo de proatividade no RH é ter um plano de sucessão estruturado. Ou seja, um programa que treina colaboradores para o momento de troca de lideranças. Dessa forma, evita-se que seja necessário ir ao mercado procurar esse novo gestor.

Ferramenta: Check-up de Soft Skills

Para ajudar você a desenvolver suas habilidades interpessoais, lançamos o Check-up de Soft Skills. Ele é uma ferramenta prática que avalia sua Produtividade, Oratória, Negociação, Liderança e Inteligência Emocional. 

Depois de terminar a avaliação, você recebe o resultado por e-mail e descobre qual é o seu nível atual de desenvolvimento em cada uma delas.

Check-up de Soft skills

Junto com o acesso ao Check-up, você recebe 5 materiais extras com dicas para você aprimorar as soft skills mencionadas nas suas equipes.

O Check-up também ajuda o RH a protagonizar todo um movimento de valorização dessas competências nas empresas.

E ainda tem mais um bônus muito especial. Se mais de 100 colaboradores da sua empresa completarem o Check-up, você ganha um dashboard da Conquer detalhando o estado das soft skills do negócio como um todo.

Erros comuns na hora de desenvolver essas habilidades nos seus times

Focar muito na habilidade e pouco no negócio

Muitas iniciativas de desenvolvimento começam olhando para a habilidade de forma isolada, ao invés de começar pela necessidade da empresa.

Desenvolver qualquer comportamento não garante um resultado para a organização. Por isso, é importante estabelecer uma ligação direta e clara entre o treinamento e o impacto dele no negócio. 

Não envolver a liderança de quem será treinado

Mesmo com um treinamento incrível, a falta de apoio da liderança dos participantes impede que todo esse conhecimento seja usado no dia a dia. 

Vale lembrar também que é responsabilidade do líder ajudar seus liderados a chegarem mais longe. Por isso, ele deve participar de qualquer iniciativa de capacitação desde o começo.

Pouco contexto e aplicação prática

Vamos imaginar que a sua empresa precisa que os programadores sejam mais resilientes. 

Dessa forma, o conteúdo de capacitação deve contextualizar a habilidade - como por exemplo, ensinando como ser resiliente em caso de uma invasão nos sistemas da empresa.

Ou seja, planejar cenários e atividades mais imersivas, que permitam que o colaborador entenda e pratique as soft skills da forma mais próxima à realidade dele. 

Lembrando também que desenvolver soft skills significa desconstruir muita coisa, então procure trabalhar uma habilidade por vez. 

Não dar continuidade ao aprendizado

As pessoas aperfeiçoam suas habilidades comportamentais não só através da prática, mas também de um reforço constante.

Quando não existe um refresco de memória que ajude a equipe a relembrar os pontos-chave, a evolução pode estagnar.

Uma ideia interessante para manter o conhecimento em movimento é liberar pílulas de conteúdo nas redes sociais ou no sistema da empresa. Elas podem falar de forma mais breve sobre conceitos-chave de empatia, gestão de tempo e outras soft skills.

Erros ao desenvolver soft skills

Dica dos especialistas

Aline Sousa, LinkedIn Top Voice e embaixadora Conquer:

“Um erro que se deve evitar é não realizar as devidas avaliações de desempenho e não fornecer feedbacks que contribuam para a evolução das pessoas que fazem parte da empresa. 

Infelizmente, algumas organizações não dispõem de programas de treinamento, apoio psicológico e a flexibilidade necessária para que esse colaborador obtenha o autoconhecimento necessário a fim de saber o que vêm desempenhando bem, o que precisa melhorar e quais as melhores formas para fazer isso.”

Como ter lideranças ricas em soft skills

Quanto mais alto o cargo de alguém, mais ele ou ela vai precisar das soft skills. Isso porque ele ou ela passa a fazer menos tarefas técnicas, e a lidar mais com pessoas, conflitos, ideias e resultados.

Na prática, as soft skills de um líder passam por dois eixos: 

Organização: o gestor precisa organizar seus compromissos que têm relação direta com as habilidades comportamentais, como reuniões 1:1s, team buildings, momentos de feedback e descompressões. 

Leitura: também deve reforçar sua capacidade de leitura de pessoas e ambientes, principalmente agora que o híbrido traz novos desafios na comunicação com o time. 

A Denise Paludetto, Diretora de Pessoas e Cultura no Omni, conta como o líder de hoje pode trabalhar suas soft skills para ser mais relevante na empresa. Dê o play no áudio e confira:

 

E veja mais 3 dicas para fortalecer essas habilidades nos líderes:

  • Dê um passo para trás e exercite a empatia que tanto é cobrada do gestor. Comece entendendo a situação atual e a trajetória dele. Só assim você pode identificar porque ele ainda está no modo “comando e controle”, por exemplo, e criar um plano de desenvolvimento.
  • Se você procura um ponto de partida mais objetivo, tente estimular uma soft skill que é a base de muitas outras - o autoconhecimento. Um líder precisa, antes de tudo, ter total consciência das suas forças e fraquezas. 
  • Crie rituais de solidificação de confiança entre líder e liderados. Essa é uma forma de ter gestores que empoderam seus times, reconhecem seu valor e dividem com eles o controle da jornada. Mas só confiamos em quem conhecemos. Dessa forma, o gestor e sua equipe precisam de oportunidades para se conhecer além dos rótulos do trabalho.

Como convencer a diretoria a investir em soft skills

Talvez essa não seja uma tarefa tão complexa. 

Segundo o relatório The Conference Board, que detalha os desafios da alta liderança para 2022, o primeiro desafio apontado, em todos os países pesquisados, é a atração e retenção de talentos. 

Já os profissionais, estão em busca de maior valorização, benefícios flexíveis, engajamento com propósito corporativo e crescimento.

Para a Korn Ferry, 69% dos profissionais pretendem permanecer nas organizações se encontrarem oportunidades de se desenvolver e atingir seus objetivos de carreira.  

Assim, promover jornadas de crescimento e desenvolvimento é uma estratégia promissora para formar e manter equipes produtivas e satisfeitas.  

O grande desafio, para o RH, está em traçar estratégias claras e assertivas de desenvolvimento. E, claro, mensuráveis. 

Isso porque, além de preocupação em manter seus talentos, a alta liderança também está focada na saúde financeira do negócio (The Conference Board).

É preciso mostrar que planos de desenvolvimento de colaboradores não são custos, mas sim investimentos com retorno direto na organização.

Como fazer isso, RH?

  • Construa um diagnóstico claro e preciso das necessidades de desenvolvimento de cada time, evidenciando as motivações.
  • Mostre os resultados que serão alcançados. Encontre formas de metrificar toda a ação, seja por avaliações qualitativas ou quantitativas. Descubra como calcular o ROI de treinamentos corporativos aqui.
  • Promova boas experiências de treinamento. E incentive o compartilhamento de feedback após cada ação. Isso servirá tanto para corrigir eventuais problemas, quanto para mensurar o impacto nos colaboradores. Ao gerar boas experiências, você aumenta o engajamento e ganha credibilidade em suas ações.
  • Crie repertório - para você, e para os times. Não faça ações isoladas de desenvolvimento. Mantenha um plano de treinamento ativo, e implemente melhorias sempre que necessário. A constância trará crescimento e desenvolvimento contínuo para o negócio.

Quanto melhores as experiências de aprendizado você promover, mais engajamento conquistará, e, logo, melhores resultados. 

E, com resultados evidentes, fica difícil não convencer a alta direção. 

Por fim, lembre-se de levar o desenvolvimento das soft skills a todos os níveis da organização, do operacional ao gerencial, inclusive C-Levels. 

Afinal, estamos falando da importância cada vez maior das habilidades humanas para resolução de problemas e enfrentamento de mudanças. 

E essas habilidades são exigidas de forma ainda mais forte para a alta liderança. Os C-Levels devem servir como exemplo e representação da cultura da empresa. Contribuindo, inclusive, no desenvolvimento da nova geração de líderes.

ConqueRHacks

A diretoria é muito resistente em investir em treinamentos? Então, comece por eles. Promova uma experiência incrível para a alta liderança, mudando sua perspectiva sobre a eficiência dos treinamentos corporativos. 

A Conquer in Company pode ajudar no seu plano. Clique aqui e fale com nossos especialistas. 

Convencendo a diretoria a investir em soft skills

Contratação e retenção: como identificar soft skills em cada fase da jornada do colaborador

Antes de falarmos das etapas da jornada de um colaborador, precisamos destacar dois conceitos. 

  • Jornada do colaborador: a jornada de um colaborador começa do momento em que ele teve o primeiro contato com a empresa - que pode ocorrer via redes sociais, ou página de carreiras no site, por exemplo - até o momento em que ele deixa a empresa. Tudo que ocorre entre esses dois extremos, chamamos de jornada. Dentro dela, podemos criar etapas, fragmentando essa jornada. 
Experiência do Aluno Conquer
  • Experiência: toda jornada gera um sentimento em quem a percorre. É papel do RH mapear, em cada etapa, qual a experiência ele está entregando ao colaborador - e o quanto está aderente à cultura da empresa.

Dito isso, podemos retomar. 

Cada empresa deve construir sua própria jornada, ligada fortemente à sua cultura e valores. As experiências personalizadas construídas ao longo dela fortalecem o desempenho do colaborador, e, por consequência, da empresa. 

Em cada etapa da jornada do colaborador, é possível identificar e desenvolver as habilidades necessárias para cada área ou cargo, desde o momento da contratação, prevenindo alguns imprevistos no meio do caminho. 

Abaixo, preparamos uma série de dicas de como identificar e potencializar as soft skills em cada etapa da jornada do colaborador. Utilizamos as etapas da Jornada do Colaborador Conquer. 

Caso você ainda não tenha mapeado a sua, utilize o modelo para se inspirar.

Fase

Engloba o primeiro contato do profissional com a sua empresa - desde o interesse pela vaga, envio do currículo, até a realização de testes e entrevistas.

Identificando soft skills

Nessa fase, há dois pontos de destaque. 

  • as habilidades que sua empresa valoriza devem estar evidentes na comunicação, seja nas redes sociais, página de carreiras ou perfil da vaga. Assim, o profissional já sabe o que é necessário, e evita expectativas equivocadas.
  • entrevistas e testes: utilize os testes para avaliação técnica, e aproveite para explorar as soft skills nas entrevistas. Crie situações onde soft skills são importantes e pergunte como o candidato reagiria frente a cada uma delas.

Ex.: Você precisa entregar um projeto, mas depende de um colega que está com a agenda ocupada. O que você faria? (Nesse caso, você pode avaliar Comunicação e Negociação).

Não esqueça de anotar suas percepções. Caso o candidato avance para as próximas etapas da jornada, você pode compartilhar suas percepções com o líder para iniciar o plano de desenvolvimento.

Fase

Primeiro contato do profissional com a equipe, sistemas e processos da organização. É um momento de grandes expectativas. 

Identificando soft skills

O novo colaborador estará descobrindo mais sobre a empresa, sua equipe e suas funções. É muito importante:

  • alinhar expectativas: o colaborador precisa entender de forma clara, desde o início, as habilidades técnicas e comportamentais que serão requeridas dele, assim como imergir na cultura da empresa. 
  • conversa com a liderança: aproveite este momento para aproximar o novo colaborador da liderança. Aqui, o líder já pode iniciar o mapeamento das skills.
Fase

Nessa etapa, o colaborador se envolve de forma mais ativa com os projetos da empresa, da sua área e com sua equipe. 

Identificando Soft Skills

Tanto as soft skills de destaque, quanto as deficientes, começam a aparecer de forma mais ativa nessa fase. O líder tem um papel fundamental aqui, já que ele possui contato direto com o liderado. 

  • aproveite as reuniões 1:1 para falar sobre as habilidades;
  • promova a escuta ativa;
  • incentive o compartilhamento de feedbacks 360°.
Fase

São fases contínuas na jornada do colaborador, onde o constante desenvolvimento o mantém engajado, e ele começa a ver resultados da sua dedicação. 

Potencializando Soft Skills
  • trace o plano de desenvolvimento do colaborador, incluindo as habilidades comportamentais;
  • promova conversas sobre carreira, aspirações e o ajude e a trilhar esse caminho;
  • crie programas de mentoria: convide referências na sua empresa em skills específicas, e inclua encontros 
  • crie programas de mentoria: convide referências na sua empresa em skills específicas, e agende encontros no plano de desenvolvimento do colaborador;
  • promova treinamentos ou incentive a realização de treinamentos em plataformas parceiras;
Fase

Nessa fase, é encerrado o vínculo empregatício, que pode acontecer tanto por decisão do funcionário, quanto da própria empresa. 

Reavaliando Soft Skills 
  • aproveite para analisar o motivo da saída do colaborador, e compreenda se há melhorias para fazer na jornada;
  • seja transparente com a pessoa que está saindo, e escute seus feedbacks. Aqui, pode estar uma grande oportunidade de amadurecer o desenvolvimento de soft skills na empresa.

5 conteúdos incríveis para continuar aprendendo sobre Soft Skills

Chegou até aqui e quer continuar aprendendo sobre soft skills para transformar sua empresa? Separamos 5 conteúdos, entre livros, podcast e TEDTalks para ajudar você.

Conquer In Company: parceira estratégica de RH, Líderes e T&D

A Conquer In Company já ajudou a desenvolver 235 mil+ profissionais, com conteúdo relevante, prático e metodologia inovadora.

Leve essa experiência também para sua empresa. Com jornadas de aprendizagem personalizadas e de alto impacto, transformamos o comportamento e a rotina das equipes, gerando resultados reais. 

Conheça os treinamentos da Conquer In Company