Escritórios divertidos, boa remuneração, ou liberdade para trabalhar de onde quiser?  

Será que existe uma resposta única para a pergunta: por que as pessoas escolhem permanecer nos seus empregos?

O fato é que os últimos dois anos impactaram significativamente a relação entre empresas e empregados. 

Embora, segundo o IBGE, apenas 11% dos trabalhadores brasileiros vivenciaram o home-office em 2020, um privilégio para poucas áreas e segmentos, essa realidade deu visibilidade para novos comportamentos: 

  • aqueles que vivenciaram o home-office, aprenderam a equilibrar vida profissional e liberdade de trabalhar em casa (ou de qualquer lugar). Um caminho sem volta para quem testou e aprovou a nova experiência.
  • mesmo que o trabalho remoto/híbrido não tenha chegado para todos, a discussão sobre a relação entre vida pessoal e trabalho foi amplificada, revelando uma mudança de comportamento sobre o que as pessoas esperam de seus empregos. 
  • novos modelos de trabalho surgiram, ampliando as contratações 100% remotas por empresas nacionais e internacionais.

Diante de todas essas mudanças, e a eminência de ter o negócio impactado pela saída de bons profissionais, para onde apontar as estratégias de retenção? 

Continue a leitura e descubra como posicionar sua empresa para ela se tornar atrativa e competitiva na retenção de talentos.  

Diferentes gerações e a relação com o trabalho

Estabilidade, desafios ou propósito? Com quatro gerações compartilhando espaços no mercado de trabalho, é difícil encontrar uma motivação comum entre elas. 

A diversidade geracional revela as diferentes formas como cada geração reage a mudanças, e as diferentes expectativas sobre sua relação com o trabalho. 

Enquanto uma geração é motivada por estabilidade, outra precisa de desafios e novidades constantes.

Para entender melhor essas diferenças, vamos analisar o quadro abaixo:

As diferentes gerações e a relação com o mercado de trabalho

O RH precisa estar atento a essa diversidade. Compreender esses perfis e seus anseios é entender o contexto das equipes, criando planos adequados as suas diferentes realidades. 

E, o mais importante, criando ambientes emocionalmente seguros, onde os profissionais sintam-se incluídos e relevantes.

Os talentos estão indo embora? A Grande Renúncia e a onda de ofertas estrangeiras 

Além de lidar com os desejos e anseios dos diferentes perfis geracionais, há dois movimentos recentes que merecem atenção.

Chamada de A Grande Renúncia, uma onda de demissões invadiu os Estados Unidos em meados de 2021. 

Mesmo sem novas oportunidades, milhões de norte-americanos deixaram seus empregos. O motivo? A busca por melhores condições de trabalho. 

O movimento, inclusive, foi notado em outros países como China e Japão.

Mas, essa onda chegará no Brasil?

Para Tania Casado, professora da USP e diretora do Escritório de Carreiras da USP, as diferenças culturais, tecnológicas e sociais entre Brasil e Estados Unidos, mostram que esse movimento não será tão expressivo por aqui. Para ela, mesmo entre profissionais mais qualificados, a tendência é procurar uma oportunidade melhor, entes de pedir demissão. 

Com taxa de desemprego em 11%, o Brasil registra em média 500 mil pedidos de demissão voluntários por mês, segundo análise da Lagom Data, em pesquisa encomendada pela Abril

Com números não tão marcantes como o da onda norte-americana, há outro fator de preocupação no país. 

Com a desvalorização de nossa moeda e a ampliação do home office, empresas estrangeiras tornam-se cada vez mais atrativas para profissionais brasileiros. 

A Consultoria Page Group registrou aumento de 20% nas contratações de brasileiros por empresas estrangeiras em 2021. 

Onde muitos líderes e profissionais de RH  enxergam apenas perdas, precisamos identificar as oportunidades.

Esses movimentos representam uma mudança profunda na relação com o trabalho, revelando um protagonismo maior do profissional em relação a sua carreira. 

Por isso, a experiência do colaborador passa a ocupar um lugar central nas discussões, assim como os profissionais de Recursos Humanos ganham uma cadeira na mesa de planejamento estratégico. 

Líderes mais humanos e empáticos, melhoria na oferta de remuneração e benefícios, aumento da produtividade, e por consequência, da qualidade na entrega de produtos e serviços. 

O RH será cada vez mais requisitado para estar a frente desses processos.

Ambiente físico x emocional 

Escritórios coloridos, vazios. 

Encontros para o cafezinho, adiados. 

Salas de descompressão repletas de jogos e sofás confortáveis, desocupadas.

Ressignificar o ambiente, e o quanto ele é decisivo para a permanência dos profissionais, é deixar os imobilizados em segundo plano, e focar na atmosfera emocional.

Vamos fazer um mão-na-massa? Pare, por um minuto, e pense: sua empresa possui ações específicas para cuidar da saúde emocional dos colaboradores? 

Essa resposta já será o termômetro para próximas ações. 

5 motivos por que as pessoas permanecem nas empresas

O que é mais valioso: entender por que um funcionário deixa a empresa, ou os motivos que o fazem permanecer?

Analisando, brevemente, você deve chegar às mesmas conclusões. 

Mas, há um ônus na primeira estratégia: é preciso perder um colaborador para entender o motivo da sua saída. 

Por isso, vamos focar nos motivos pelos quais os talentos escolhem permanecer. Para a consultoria Great Place To Work, há 5 fatores que motivam a permanência dos funcionários nas empresas. São eles:

5 motivos porque as pessoas escolhem permanecer em seus empregos
  1. Oportunidade de crescimento: funcionários estão em busca de ambientes que incentivem seu crescimento, viabilizando treinamentos e desenvolvimento contínuo. Novos desafios e oportunidades promovem o sentimento de crescimento e pertencimento. Incentive que o colaborador conheça outras áreas da empresa, que possam despertar seu interesse. Ou, que assuma a liderança de um novo projeto. 
  2. Qualidade de vida: equilíbrio entre vida pessoal e profissional está entre as três maiores preocupações dos colaboradores, segundo pesquisa realizada pela consultoria Mercer. Além de equilíbrio, os funcionários esperam das empresas ações de promoção de vida saudável - tanto física, quanto emocional.  Já pensou em criar uma semana de incentivo ao esporte na empresa? Ou promover aulas de yoga antes de iniciar o expediente?  
  3. Remuneração e benefícios: o salário continua ocupando espaço central na vida dos colaboradores. Mas, começa a compartilhar importância com a rede de benefícios que a empresa oferece - além dos tradicionais vale-alimentação, vale-refeição e plano de saúde.
  4. Alinhamento de valores: em um processo que vem se amplificando entre trabalhadores das novas gerações, os profissionais estão em busca do porquê: porque desempenham aquela função, qual o impacto a empresa gera na sua comunidade e quais são os valores que ela defende. 
  5. Estabilidade: ainda mais comum em gerações mais antigas, a busca por estabilidade está ligada à segurança. Estabilidade não tem relação apenas com um longo tempo de permanência em um emprego, mas também à segurança emocional. Colaboradores que não temem demissões repentinas e sem feedback, ou possuem coragem para testar e errar, sem medo de repressões, sentem-se emocionalmente estáveis para desempenhar suas funções.

3 estratégias para reter talentos 

Por fim, após compreender os principais fatores de permanência dos funcionários, é preciso traças estratégias para torná-los aliados na retenção de talentos.

Antes de implementar qualquer plano estratégico, é preciso diagnosticar a realidade atual da empresa. Você mede a taxa de rotatividade dos funcionários, ou seja, o turnover? Quantos funcionários saem da sua empresa por ano, e quantos você contrata? 

O turnover é um indicador essencial para compreender a saúde de seus times. E deve ser acompanhado de forma constante. 

Você pode medir o turnover utilizando a seguinte fórmula:

  • some a quantidade de colaboradores contratados e demitidos em um mesmo período, e divida o resultado por 2;
  • divida o resultado acima pelo número total de funcionários da empresa naquele mesmo período;
  • para chegar ao percentual, multiplique o resultado por 100. 
como-calcular-roi

Vamos ver como funciona na prática?

Uma empresa com 500 funcionários, contratou 50 pessoas, e demitiu (ou pediram demissão) 20 profissionais em um período de 6 meses.

  • 50 + 20 = 70/2 =35
  • 35/500 = 0,07 x 100 = 7%

Então, o turnover da empresa é 7% em 6 meses.

Para entender se essa taxa é positiva ou negativa, você pode compará-la aos resultados de outras empresas do mesmo setor.

Após medir a rotatividade da sua empresa, e o quanto a retenção de profissionais é prioridade, preparamos 3 estratégias para você implementar no seu negócio. 

Não esqueça de alinhá-las ao perfil do seu público. 

1. Reconheça e valorize esforço, não apenas resultado

Além dos benefícios já tradicionais, como vale-alimentação e vale-transporte, avalie quais benefícios fazem sentido para seu time e como eles podem ser um fator de retenção. 

Escute os times e adeque os benefícios de acordo com suas sugestões e preferências.

Dias de folga, trabalho híbrido/remoto, parcerias com academias ou plataformas de saúde mental. Há uma infinidade de possibilidades.

Além de ser benefícios atrativos, eles podem ser usados como recompensa para esforços e bom desempenho. 

Afinal, quem não gosta de ter seu trabalho valorizado?

Além de recompensa monetária, essas são recompensas emocionais, e refletem diretamente na imagem que o funcionário cria da empresa.

2. Desenvolva líderes empáticos e humanizados

8 em cada 10 funcionários deixam seus empregos devido aos seus chefes. 

A gestão é a representação da empresa para o colaborador, pois é quem está mais próximo dele no dia a dia.

Preocupar-se com o desenvolvimento de líderes que sejam embaixadores da cultura, e capazes de motivas e engajar times, é um investimento também em retenção.

Escute os colaboradores, promovendo espaços seguros para o compartilhamento informações. Escute, também, os líderes, identificando onde eles precisam de ajuda para se desenvolver.

Você, RH, é o ponto de contato entre as necessidades dos funcionários, e a capacidade da gestão da empresa de promover essas melhorias. 

3. Promova a aprendizagem e desenvolvimento contínuo

Como já falamos, cada colaborador possui suas próprias necessidades de desenvolvimento e expectativas de crescimento

É possível construir um caminho para que o funcionário conheça os passos que precisa dar para alcançar novas oportunidades, e sinta-se seguro com seu desenvolvimento na empresa, tendo uma visão estruturada de sua carreira.

Para isso, invista em modelos de Plano de Desenvolvimento Individual

É possível cocriá-lo junto ao profissional e ao seu líder. O plano deve conter objetivos, prazos e marcos de sucesso. E pode ser registrado e acompanhado em planilhas ou softwares específicos. 

Além disso, a empresa pode incentivar o desenvolvimento do colaborador oferecendo treinamentos in company, direcionando os conhecimentos necessários - tando em habilidades técnicas, quanto comportamentais. 

De acordo com o treinamento, essa também pode ser uma ferramenta de engajamento e interação, melhorando os laços entre times. 

 

ConqueRHacks

Marca Empregadora: você cuida da imagem da sua organização?

Construir uma imagem positiva da sua empresa pode melhorar seus índices de contratação

Ao mostrar ao mercado um ambiente positivo, emocionalmente saudável e real, você atrai talentos conectados a cultura da sua empresa, ou seja, profissionais com valores e propósitos semelhantes ao seu negócio.

Fale Com a Conquer In Company