Liderar uma equipe nunca foi algo fácil, concorda? Com as novas tecnologias, novas ferramentas, novas gerações trabalhando em conjunto com as anteriores, hoje, o desafio de liderar é ainda maior. Afinal, como mostrar qual caminho deve ser seguido se o próprio caminho muda a cada instante? 

Uma coisa é certa: assim como mudou o perfil dos novos profissionais, o papel do líder também mudou e é preciso se adaptar à nova realidade.

No passado, era comum encontrar pessoas que se mantinham em um mesmo emprego por 30 ou 40 anos, submetendo-se a uma hierarquia extremamente rígida, em que o “patrão” era a autoridade máxima e sempre tinha a palavra final nas decisões da empresa. Mas as novas gerações, que já ocupam e estão ingressando em massa no mercado de trabalho, pensam de uma forma bem diferente. 

De acordo com a pesquisa Carreira dos sonhos 2019, realizada pelo grupo Cia de Talentos, os principais requisitos que as novas gerações buscam na sua “empresa ideal” são a capacidade de inovar, cultura organizacional, impacto na sociedade e profissionais inspiradores. Ou seja, os jovens profissionais valorizam a criatividade, o diálogo, a transparência, a autenticidade e o trabalho com propósito - e já não conseguem se encaixar nas mesmas hierarquias rígidas do passado. 

Neste novo cenário, o que mudou no papel do líder? Quais competências o líder precisa desenvolver para se adaptar? Isso é o que você vai descobrir neste artigo. Dá uma olhada nessas 5 grandes mudanças no papel do líder na era digital.

1. Mentalidade incremental × Mentalidade exponencial

Hoje estamos na era exponencial, e nessa era não existem planos ideais, fórmulas prontas ou processos corretos e imutáveis. Ao contrário da mentalidade incremental, o caminho não é claro ou linear, podendo mudar a qualquer momento. Por isso, é preciso saber se adaptar rapidamente e lidar com a incerteza de forma otimista

As empresas começam a pensar fora da caixa e a estabelecer objetivos cada vez mais ambiciosos. Um bom líder trabalha em desenvolver uma mentalidade de crescimento em si mesmo e nas pessoas da sua equipe. 

Mas o que caracteriza uma mentalidade de crescimento? 

Ser flexível, confiante e otimista; estar aberto a novas ideias e sugestões; se concentrar em fazer as melhores perguntas; saber dar e receber feedback e manter o foco em gerar resultados que aceleram exponencialmente ao longo do tempo. Nesta nova era, cultivar uma mentalidade de crescimento pode ser a coisa mais importante para melhorar seus resultados e atingir seus objetivos .

2. Segurança × Inovação

Com esta nova mentalidade de crescimento, as lideranças começam a deixar a segurança de suas estruturas, hierarquias e processos quadrados para mudar e inovar

Nesse contexto, qual líder tem mais chance de ter melhores resultados? Aquele que encara desafio e fracasso como um problema ou como uma oportunidade para aprender e crescer? O profissional que encara divergências de opinião como uma ameaça ou como algo necessário para realizar processos de melhoria? Aquele que encara o risco como algo a se evitar ou como um passo indispensável para a inovação?

Certamente o profissional mais preparado para liderar em uma era de constante mudança é aquele capaz de aprender com os seus erros, considerar diferentes pontos de vista, inovar e arriscar-se a mudar cultura, processos e estruturas datadas, que já não têm o mesmo impacto de antes.

Hoje, arriscado é não arriscar.

3. Seguir a cartilha × Aprender a ler o mundo

O líder de hoje não pode basear suas decisões apenas naquilo que aprendeu no ensino tradicional ou ao longo de sua experiência profissional, por um motivo bastante simples: o ensino tradicional não avançou na mesma velocidade que o mundo do trabalho.

Além disso, as soluções do passado muitas vezes já não se aplicam para o presente, pois o mundo está mudando em uma velocidade incrível! 

Um bom líder precisa ser curioso e ter paixão pelo futuro. Ele deve ter a capacidade de ver os dados atuais e imaginar as possibilidades para o amanhã. Analisar o território conhecido e explorar o desconhecido, indo muito além das previsões e tendências e questionando o status quo.

Por isso, o novo papel do líder também inclui estar em contato com o mundo, com o mercado e com o cliente, aprendendo a ler e antecipar suas tendências

O líder precisa atualizar-se constantemente em relação ao desenvolvimento tecnológico e como isso pode afetar o seu negócio. Também deve trabalhar fortemente com as implicações éticas, morais e sociais decorrentes dessa mudança digital. 

4. Foco no produto × Foco nas pessoas

Ler o mundo exige que o líder seja capaz de voltar os olhos de dentro para fora. De dentro da sua empresa e do seu produto para as novas demandas da era digital e, especialmente, para as pessoas que garantem a existência do seu negócio: os clientes. Já conhecemos o provável destino das empresas, profissionais e líderes que não são capazes de se antecipar às mudanças que estão acontecendo com o seu mercado. 

O que aconteceu com as videolocadoras, redes de hotéis e taxistas com a chegada da Netflix, Airbnb e Uber? Muitas empresas - e até mesmo mercados inteiros - desapareceram por um motivo comum: não souberam atualizar seus modelos de negócio e estilo de liderança para atender às novas demandas da era digital.

O papel do líder deixa de ser defender um produto e passa a ser defender as necessidades do seu cliente. O foco deixa de ser “o que” fazemos e passa a ser “por que” fazemos. Afinal de contas, qual necessidade real do consumidor estamos solucionando? Por quanto tempo nossos produtos ou serviços vão continuar solucionando esta necessidade? A mesma lógica pode ser utilizada para os clientes internos da empresa - os seus colaboradores.

Neste TED Talks, Jim Hemerling, head de People & Organization and Transformation practices no Boston Consulting Group, fala sobre como colocar as pessoas em primeiro lugar é essencial para liderar em uma época de constante mudança:

5. Autoridade × Influência

O líder da era exponencial sabe que não tem todas as respostas - e está tudo bem! 

Não é possível cobrir todas as bases sozinho. O seu poder não vem mais da autoridade ou da hierarquia, como acontecia no passado, mas da sua capacidade de reunir pessoas com competências diversas e complementares em torno de um propósito comum. 

Por isso, o novo papel do líder envolve uma grande habilidade humana. Para um líder ter bons resultados  é preciso criar um ambiente de trabalho significativo, saudável e com uma cultura positiva. Um bom líder promove equidade, incentiva a inclusão e a diversidade e busca desenvolver o pleno potencial do seu time. Nesse sentido, ele sabe dar autonomia e responsabilidade à equipe, empoderando o time para inovar e tomar decisões. 

Líderes inspiradores estabelecem uma relação de confiança e diálogo, criam abertura para dar e receber feedbacks e são transparentes em relação às suas expectativas e aos objetivos da empresa. Não é por acaso que centralizar a tomada de decisão e reter o conhecimento são duas das maiores razões pelas quais os líderes falham nessa nova realidade.

Quer aprender com líderes de referência no mercado como enfrentar os desafios de liderar na era exponencial? Conheça o GBC em Liderança e Gestão de Pessoas, o curso que vai transformar a sua forma de liderar!

Para saber mais é só clicar aqui!