Quando se trata de liderança, um dos maiores desafios dos gestores atuais é saber como liderar diferentes gerações. Afinal, com tantos perfis diferentes entre os profissionais de uma mesma empresa, como saber o que funciona para cada um

A resposta é: conheça (de verdade) os seus liderados! E “conhecer” não quer dizer saber o nome e as informações do currículo. Não basta dominar o formulário de RH dos colaboradores, é preciso entender qual o combustível que move cada um deles.

Conhecer os diferentes perfis que atuam na empresa traz inúmeros benefícios para o engajamento e a produtividade de uma equipe. Além disso, um líder que se comunica de forma assertiva constrói um relacionamento de confiança com os seus liderados.

Em seu livro “Os 5 desafios das equipes”, Patrick Lencioni aborda as principais razões pelas quais algumas equipes não atingem suas metas. A primeira delas é a ausência de confiança, que impede a existência de conflitos construtivos.

Não passar confiança para a sua equipe faz com que os colaboradores guardem mágoas, sejam menos colaborativos e se sintam inseguros para pedir ajuda quando necessário. Isso cria um ambiente de trabalho estressante e prejudica a performance de todo o time.

Para construir uma relação de confiança com os seus liderados, é preciso ter uma dose de vulnerabilidade, expor os próprios erros e dúvidas para mostrar que você também tem seus desafios pessoais. Além disso, entender as diferentes gerações é essencial.

Conheça as 4 principais gerações que fizeram e fazem parte do mercado de trabalho e saiba como engajá-las.

Demarcar as gerações não é uma ciência exata e é mesmo por isso que existem variações entre os períodos de cada uma. Apesar de não existir uma unanimidade, algumas características são comuns entre as pessoas nascidas em mesmos períodos. Os nomes das gerações são:

  • Baby boomers - nascidos de 1945 a 1960
  • Geração X - nascidos de 1961 a 1980
  • Geração Y ou millennials - nascidos de 1981 a 2000
  • Geração Z - nascidos a partir de 2000

É importante comentar que as gerações reúnem características de indivíduos que foram influenciados por um mesmo contexto histórico e que refletiu diretamente nos seus comportamentos, costumes e valores. Esses comportamentos podem ser observados especialmente em ambientes organizacionais. 

Abaixo, você confere algumas características de cada uma das gerações e como elas costumam se comportam no mercado de trabalho.

Baby Boomers

Essa geração é formada por pessoas que viveram em uma época de guerras, com mais escassez e responsabilidades individuais. O lema dessa geração no mercado de trabalho é manter as coisas simples, fazer o essencial com excelência.

Esse comportamento tem muito a ver com a Revolução Industrial, que sistematizou as funções para ter resultados padronizados. Nessa época, os colaboradores tinham horário para entrar e sair do trabalho. Eram 8 horas de lazer, 8 horas de descanso e 8 horas de trabalho, por isso, vida pessoal e profissional eram totalmente separados.

Além disso, é uma geração marcada por criar uma relação muito forte com os seus empregadores. Nesse vínculo de muita lealdade, os baby boomers tendem a ficar muitos anos dedicados na carreira e em uma mesma posição na empresa

Com trabalhos mecânicos e repetitivos, a produtividade estava diretamente ligada ao tempo de dedicação. Quando mais tempo você trabalhasse, maior seria a sua entrega.

Geração X

Essa geração cresceu em uma época de pós-guerra e pós-revolução industrial. Seu lema era trabalhar para ser recompensado, ou seja, dedicavam-se para poder usufruir dos frutos de seu trabalho no futuro.

Diferente dos baby boomers, por conta desse olhar para o futuro, o período de trabalho começou a se estender para o happy hour, sendo essa uma oportunidade de fazer networking.

A geração X buscava prestígio através de diplomas, MBAs e outras formas de certificação profissional, afinal, tudo que alimentasse o currículo era bem-vindo. Essa mentalidade voltada para o enriquecimento do histórico profissional fez com que a geração adquirisse o costume de ser workaholic, e isso era visto como algo positivo.

Seguindo o movimento de abertura do mercado, a geração X começou a ter uma visão empreendedora ainda dentro das companhias, e ela foi a primeira geração a ter mais contato com as novas tecnologias. 

Millennials ou Geração Y

Nascidos a partir dos anos 1980, essa geração acredita em aproveitar o trajeto. A felicidade não está só no início ou no fim, mas no caminho. Eles valorizam o dia a dia e procuram propósito no que fazem. O prazer está diretamente relacionado à realização profissional.

Diferente da geração X, que buscava certificações formais, os Millennials acreditam na efetividade de meios informais de educação, em que não existem hierarquias e o acesso ao conhecimento pode acontecer a toda hora.

Por conta dessa constante sede pelo aprendizado, a vida pessoal e profissional dessa geração passou a se misturar e é comum que pessoas da geração Y sejam adeptas e até prefiram o home office, especialmente pela sua relação de dependência com a tecnologia e pela visão globalizada da geração. 

Geração Z

As pessoas que formam essa geração são as primeiras nativas digitais, ou seja, não precisaram passar por um período de adaptação às tecnologias como os Millennials.

Segundo a ZeroCarter, 98% da geração já possui um smartphone e 40% já se considera viciada no aparelho. Ao mesmo tempo, 80% dos usuários se sentem menos estressados quando largam o celular. Ou seja, a geração tem consciência dos malefícios do uso excessivo da tecnologia, mas já vive em uma época totalmente conectada.

No mercado de trabalho, a Geração Z é pragmática e prefere conversas cara a cara. 75% dessas pessoas preferem ter mais de uma função dentro da empresa e suas duas maiores aspirações para o futuro são a estabilidade financeira e encontrar o trabalho dos sonhos.

É uma geração marcada por uma alta adaptabilidade, por aprender muito rápido e que está sempre disponível. As pessoas dessa geração têm uma grande necessidade de trabalhar em ambientes que possam ser ouvidos

As principais diferenças entre as gerações

Para entender melhor as diferentes gerações, dá uma olhada no vídeo All Work and All Play, da Box1824. A Box1824 é uma empresa de pesquisas de tendências de comportamento e consumo, e produziu o vídeo abaixo depois de uma pesquisa sobre as relações de trabalho entre as diferentes gerações, dos baby boomers que buscavam estabilidade no trabalho até os millennials que querem trabalhar com seu propósito.

Por que cada vez mais as gerações estão se encontrando no mercado de trabalho?

A expectativa de vida aumenta cada vez mais. Existem inúmeros fatores que impactam nessa melhora, e um deles é justamente a qualidade de vida. Além do envelhecimento da população, as pessoas estão adiando cada vez mais a saída do mercado de trabalho

Ao mesmo tempo em que as pessoas mais velhas permanecem trabalhando, os jovens não deixam de entrar no mercado de trabalho. E é por isso que as empresas estão se encontrando cada vez mais nas organizações.

Os diferentes perfis profissionais

Mesmo com as diferenças frequentes entre as gerações, é possível observar diferentes perfis de profissionais. Atualmente, o mercado de trabalho é formado por três perfis principais de profissionais. O primeiro tipo gosta de regras, padrões e estabilidade, sendo motivada através do reconhecimento de seu esforço, feedbacks embasados em dados e acompanhamento de resultados.

O segundo perfil gosta de liberdade, alto astral e entusiasmo, por isso, a melhor forma de engajá-los é focar no prazer do trabalho, passar os objetivos em metas menores e oferecer autonomia em suas funções. Por fim, o último perfil se motiva pelo aumento de metas, pois gosta de resultados, reconhecimento e premiações.

4 vantagens de equipes com diferentes faixas etárias

O encontro de  diferentes gerações no mercado de trabalho é cada vez mais comum e isso está longe de ser negativo. Empresas e líderes que apostam em times diversos têm grandes vantagens, que vão desde os aspectos culturais até o aumento da sua performance e competitividade. 

Confira 4 vantagens para as organizações que constroem times diversos e com variadas faixas etárias:

1. Disposição e experiência na equipe

Enquanto os colaboradores mais velhos são mais experientes, os mais novos costumam ter bastante disposição para encarar desafios. Quando o líder combina esses dois elementos, o trabalho da equipe se fortalece por meio da colaboração entre todos da equipe, reunindo esforços e experiências na construção de resultados significativos.  

2. Aprendizado coletivo

O convívio no ambiente de trabalho já é, naturalmente, uma oportunidade de trocas entre os colaboradores. Com perfis e gerações diferentes, o processo de aprendizado e troca de experiências é acelerado, já que ele não se restringe aos colaboradores de uma única faixa etária. 

3. Estímulo à criatividade organizacional

Mesmo que muitas pessoas ainda acreditem que a criatividade é um dom, essa é uma habilidade que pode (e deve! ) ser desenvolvida por todos. E uma das maneiras do líder estimular a criatividade é facilitar a troca de experiências e de repertório para que, dessa maneira, novas ideias possam surgir de um ambiente diverso.

Um ambiente de trabalho com pessoas de diferentes perfis e gerações acelera os processos criativos. Além disso, a resolução de problemas dentro do time se torna mais criativa: com diferentes olhares sobre o mesmo problema, o resultado é ainda mais assertivo. 

4. Contribuição para a inovação

Um estudo da Accenture ouviu mais de 18 mil profissionais de 27 países para entender o impacto da diversidade na cultura de inovação. De acordo com o levantamento, a habilidade de inovar é maior em empresas que contam com diferentes perfis de colaboradores, além dos profissionais não terem medo de errar pela tolerância ao erro.

Em um mercado cada vez mais competitivo, as empresas e os líderes que querem se destacar precisam desenvolver a cultura de inovação. Ter diferentes pessoas contribuindo para a construção de uma cultura de inovação e de uma mentalidade de melhoria contínua se torna um grande diferencial competitivo para as organizações. 

Como liderar os diferentes gerações e perfis profissionais

No cenário atual das organizações, tem se tornado cada vez mais comum ver as quatro gerações trabalhando juntas. Apesar de parecer um assunto recente, o conflito de gerações não é algo atual. E, quando ele acontece no ambiente de trabalho, o líder tem um papel muito importante para gerir a sua equipe.

Isso porque é papel do líder entender as percepções e necessidades das pessoas do seu time e, a partir disso, entender o que existe em comuns entre os diferentes perfis. É a partir do que é comum que as pessoas vão se unir, formando uma equipe que colabora entre si.

Para se adaptar e entender a individualidade do seu time, o líder pode seguir 7 dicas que vão ajudar na gestão de uma equipe multigeracional:

  • Conheça as pessoas do seu time: o líder precisa conhecer as pessoas da sua equipe, estando próximo das pessoas e entendendo o que acontece com pessoas.
  • Explore o melhor de cada um: o líder não precisa saber tudo e, ao saber quais são as fortalezas do seu time, ele sabe onde pode buscar suporte. Quando o líder faz isso com a sua equipe, o time também consegue fazer isso com o seu líder.
  • Saiba como engajar e motivar as pessoas para que elas continuem na empresa: as pessoas permanecem nas empresas porque elas desejam continuar ali. Para isso, o profissional precisa ter clareza de quais serão os seus próximos passos, seja em promoções ou mesmo em movimentações laterais, e o líder precisa ser transparente e deixar isso bem claro para o seu time.
  • Invista na capacitação do time: o desenvolvimento da equipe deve ser sempre uma prioridade para o líder. E o líder não deve ter medo de investir na capacitação do seu time: o problema não é que o funcionário treinado vá embora, mas sim aquele que não for treinado e ficar.
  • Reconheça as pessoas e crie a cultura do feedback: as gerações Y e Z têm uma necessidade muito grande de receber feedbacks constantes. Por outro lado, as demais gerações precisam cada vez mais de estímulos positivos para sentirem segurança e assim saírem da sua zona de conforto. Para isso, o feedback é um processo que deve fazer parte do dia a dia da equipe.
    No vídeo abaixo, você confere 4 dicas que vão elevar o nível dos seus feedbacks, garantindo uma comunicação mais assertiva.
  • Estabeleça objetivos claros e mensuráveis para o time: são eles que direcionam o trabalho e esforços da equipe, e é papel do líder deixar isso claro para todos. Sem saber para onde ir e o que deve ser feito, unir a equipe se torna uma tarefa ainda mais difícil. 
  • Escute sempre: a comunicação é uma habilidade que deve ser constantemente desenvolvida. Além de ter abertura de fala com a sua equipe, o líder precisa ter uma escuta ativa com as pessoas do seu time. 

A verdade é que a idade das pessoas não é algo que pode ser mudado. Por isso, o líder precisa conhecer as pessoas do seu time, entender quais são as necessidades de cada um e ver o que existe em comum entre todas elas.  E fazer isso é fundamental para alcançar bons resultados e ter um clima positivo dentro da equipe.

Agora que você já entende sobre as diferentes gerações e perfis de profissionais, conheça o curso online Liderando diferentes perfis e gerações da Conquer. Você vai aprender os melhores processos e ferramentas de gestão, desenvolvendo ao máximo as potencialidades do seus colaboradores e os resultados alcançados pelo seu seu time.